skip to Main Content

Recomendações em relação aos Repelentes de Insetos

PernilongoPicadas de mosquitos e carrapatos continuam a causar muitos problemas de saúde, eles são vetores de doenças potencialmente graves, incluindo Malária, Encefalite do Nilo Ocidental, Febre Amarela, Encefalite por Carrapatos, Dengue, Febre Zika, Chikungunya, etc.. Além da população que vive em área endêmica, os viajantes são também uma população de risco. Ainda mais, na atualidade os mosquitos e carrapatos são encontrados praticamente no mundo inteiro.
Medidas na saúde pública para reduzir as fontes destes artrópodes são importantes para proteger à população; mas, a iniciativa individual, buscando a proteção contra mosquitos e carrapatos transmissores de doença, está seretornando cada vez mais importante.
IMG-20150915-WA0002Estratégias individuais de prevenção da picada de mosquito incluem evitar áreas de alto risco (por exemplo, pântanos e lagos de água parada.) e evitar sair ao ar livre em determinados momentos do dia (ex.: no anoitecer); evitar roupas de cor escura e empregar telhas bloqueadoras de insetos ou mosquiteiros. Armadilhas para Mosquitos são ineficazes e elas podem destruir insetos benéficos. Contudo, as medidas mais eficientes incluem a utilização de Repelentes.
Quanto aos carrapatos, pode-se conseguir proteção individual evitando a aderência e/ou picada do artrópode, para isso acaricidas com propriedades repelentes, como Permetrina, são utilizados para a impregnação de roupas, o que é eficaz na proteção pessoal também contra mosquitos. Considera-se então a melhor abordagem para aqueles que podem ser expostos a Carrapatos, aplicar um repelente para a pele e Permetrina na roupa.
shutterstock_433400350A procura para tornar os seres humanos menos atraentes para os Mosquitos alimentou décadas de pesquisa científica relacionadas ao comportamento do Mosquito e ao controle dos mecanismos que orientam ele na direção ao hospedeiro. Acredita-se que o Mosquito é atraído pelos componentes dos odores da pele como ácido láctico e o dióxido de carbono da respiração do hospedeiro. Porém sabe-se que existem dezenas de substancias nesses odores e outros gases que poderiam, teoricamente, ser detectados pelos insetos.
shutterstock_201488390Repelentes tópicos são substâncias que, quando aplicadas à pele, efetivamente impedem mosquitos e carrapatos de picar. Entretanto, ainda não é totalmente entendido como os repelentes agem sobre seus alvos. Atualmente, continua a procura pelo repelente tópico perfeito. Este agente ideal seria capaz de repelir várias espécies de artrópodes mordedores (mosquitos e carrapatos), permanecer eficaz pelo menos 8 horas, não causar nenhuma irritação para a pele ou membranas mucosas, não causar nenhuma toxicidade sistêmica, ser resistente à abrasão e o agua, não ser gorduroso e ser inodoro. Nenhum repelente disponível atualmente atende todos esses critérios.
Os quatro repelentes recomendados pela Organização Mundial da Saúde pela sua segurança, eficácia e longa duração de ação, são: Citriodiol (PMD), DEET, Icaridina (KB3023) e IR3535.
shutterstock_408064891Repelentes à base de plantas fornecem apenas proteção de curta duração, mas o melhor destes é o Citriodiol (Óleo de Limão-eucalipto), com duração de até 6 horas. O DEET é considerado o mais efetivo dos repelentes tópicos e é o mais utilizado, porém trata-se de um solvente químico que danifica roupas sintéticas e capaz de provocar irritação em certos tipos de pele, dependendo da concentração; o odor do DEET e a Icaridina costuma ser incómodo; a oleosidade é comum a todos eles; Dermatite de contato e irritação dos olhos são os efeitos colaterais mais comuns de todos os repelentes tópicos. A eficácia parece ser equivalente para todos os quatro.
A nossa experiência é maior e muito boa com o IR3535 (Repelente Merck), ainda que, o Óleo de Limão-eucalipto (Citriodiol) mostra-se como uma boa alternativa; atualmente só para maiores de 2 anos de idade.
Vitamina B1 (Tiamina) tópica ou sistêmica, dispositivos acústicos e elétricos, alho e pulseiras magnéticas ou impregnadas com repelentes, são ainda vendidos e amplamente utilizados embora sua ineficácia completa tenha sido documentada em vários estudos.
A duração da proteção dada por um repelente tópico depende de sua concentração e pode variar de 15 minutos para 10-12 horas. depende também do tipo de repelente (substância ativa e fórmula), a forma de aplicação, as condições ambientais locais (temperatura, umidade, etc.) e as espécies alvo.
shutterstock_201246554Repelentes tópicos devem ser aplicados apenas sobre a pele exposta e lavados assim que possível após terminada a exposição aos insetos, para reduzir os efeitos colaterais. Redes, peças de vestuário e cama revestidos com Permetrina fornecem proteção adicional e eficaz contra mosquitos.
Preparações de “protetor solar – repelente” em combinação não são recomendadas porque eles têm diferentes tempos de duração da eficácia. Ainda, recomenda-se que repelentes sejam aplicados após o protetor solar, dado que alguns repelentes podem aumentar a absorção do protetor solar através da pele. Aplicar um protetor solar 15-30 minutos antes de aplicar o repelente de inseto mantém a eficácia do protetor solar e evita o facilitamento da absorção pelo repelente.
Para evitar o risco de toxicidade em crianças recomenda-se para os pais usar Repelentes Tópicos em seus filhos levando em conta as indicações para a idade e considerando a freqüência da seguinte maneira: O uso de Repelente Tópico em crianças acima de 6 meses, só uma vez por dia; seu uso breve em lactentes a partir dos 2 meses é aceitável só em circunstâncias excepcionais de risco de grave exposição aos artrópodes, no entanto, nunca mais que 1 aplicação diária. De 1 a 12 anos de idade, 2 aplicações diárias podem ser utilizadas com segurança; já após os 12 anos de idade, o limite passa a 3 aplicações diárias.

Dr. Javier Ricardo Carbajal Lizárraga.
Especialista em Alergia e Imunologia.
CREMESP 92607.

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos!
Back To Top
Search